O presidente do Democratas, ACM Neto, usou as redes sociais nesta sexta-feira (5/2) para desmentir rumores de que pleiteia uma candidatura à Vice-Presidência do país em uma possível chapa com Jair Bolsonaro (sem partido) para 2022. Nas palavras de Neto, “não existe qualquer possibilidade” de que isso ocorra.

“Não é hora de falar de eleição. Não existe qualquer possibilidade de eu ser candidato a vice-presidente de Bolsonaro nem de ninguém. Quem me conhece sabe, sabe quais são as minhas prioridades, sabe que não serei candidato a vice-presidente da República nem de Bolsonaro, nem de nenhum outro candidato”, afirmou em vídeo divulgado nesta tarde.

O presidente do partido tem sido alvo de críticas após sinalizar com uma aproximação ao governo federal, após as eleições do Congresso Nacional. Vale lembrar que a sigla, na véspera das eleições da Câmara, decidiu sair do bloco de apoio a Baleia Rossi (MDB-SP) e liberou a bancada para o voto.

O movimento resultou no enfraquecimento de Baleia, que era o candidato do ex-presidente da Câmara Rodrigo Maia, filiado ao Democratas e ex-presidente nacional do partido. O vencedor foi Arthur Lira (PP-AL), candidato de Bolsonaro na disputa. No âmbito do Senado Federal, o senador Rodrigo Pacheco, que também integra o partido, venceu as eleições. Pacheco também era o nome preferido pelo governo federal.

No vídeo, contudo, ACM Neto nega que o partido esteja buscando essa aproximação com Bolsonaro. “Não existe nenhum movimento, neste momento, de aproximação com a base do governo ou qualquer interesse de nos transformarmos em base do governo. Jamais aceitei discutir ou negociar cargos e espaços. Não faço política dessa forma”, defendeu.

Ele chamou de “absurdos” os rumores de que se lançaria candidato a vice em 2022. Segundo Neto, este não é o momento de “discutir política”. Em sua análise, ventilar essa possiblidade, hoje, é “perda de tempo” e “gasto de energia”.

“Acho um absurdo que neste momento se esteja tratando de eleições de 2022. A hora agora é para que nós tenhamos responsabilidade, juízo. Temos mais de 220 mil mortos no Brasil em função da pandemia, um cenário de crise econômica, de perda de emprego, de agravamento dos problemas sociais. Essa é que tem que ser a nossa agenda, a nossa prioridade. Temos que afastar disputa, briga, guerra política”, defendeu.

Por fim, enfatizou a independência do DEM nos trabalhos de condução das pautas no Congresso. “A posição do Democratas, adotada desde 2018, foi de independência. Assim temos sido e assim continuaremos sendo. Quando for preciso divergir, sempre teremos a liberdade”, disse.

 

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.